Batimetria

O SMC-Brasil possui uma base de dados batimétrica. Esta batimetria é originada da digitalização das cartas náuticas do litoral brasileiro provenientes da Diretoria de Hidrografia e Navegação da Marinha do Brasil (DHN). As cartas náuticas foram obtidas na página web da DHN (www.mar.mil.br) em formato raster (.kap) referidas ao datum WGS84 e posicionadas espacialmente. As cartas foram abertas no software ArcGIS 9.3®, onde foi obtido seu extent (coordenadas máximas e mínimas de cada carta), a partir daí, foram levadas ao software Global Mapper®, posicionadas espacialmente e os pontos batimétricos foram digitalizados.

Após o processamento das cartas náuticas, obteve-se através da DHN um CD-ROM com dados de folhas de bordo provenientes de levantamentos realizados em parceria entre o Bampetro, o Centro de Hidrografia da Marinha (CHM) e a Universidade do Estado de São Paulo (USP). As informações batimétricas encontravam-se armazenadas em planilhas contendo latitude, longitude e cota referidas ao datum horizontal WGS84. Além disso, há também dados batimétricos do GEBCO (General Bathymetric Chart of the Oceans).

Os dados das folhas de bordo obtidos foram reunidos às cartas náuticas num Sistema de Informações Geográficas (SIG). Neste ambiente, a costa do Brasil foi dividida em três setores de acordo com a amplitude de maré da costa brasileira, como proposto por Vellozo e Alves (2006). Para cada setor foram selecionadas as folhas de bordo e cartas náuticas que melhor representassem as áreas. Sendo um total de 67 folhas de bordo (12 para o setor norte, 12 para o centro e 43 para o sul) e 79 cartas náuticas (13 norte, 23 centro e 43 sul). Os mesmos foram editados de maneira a não haver sobreposição de cartas e/ou folhas de bordo nas áreas comuns entre estas, evitando assim erros de interpolação dos dados. Foram mantidas sempre as cartas ou folhas com maior detalhe da área.

Destaca-se que sempre que o usuário desejar incluir uma nova batimetria detalhada dentro do SMC-Brasil deve ter especial cuidado para verificar que o sistema de referência (Elipsoide de referência) seja o WGS84 e que o sistema de coordenadas esteja em UTM, para evitar discrepâncias na hora de combinar as batimetrias com diferentes sistemas de referência, já que isto pode levar a erros de deslocamentos horizontais de dezenas a centenas de metros.

Divisão dos setores Norte, Centro e Sul da costa brasileira. Fonte: Vellozo e Alves (2006).

Dados de linha de costa também foram digitalizados a partir das cartas náuticas em SIG. Uma linha de costa única foi digitalizada para cada setor da costa e, posteriormente, foi cortada e transformada em arquivos .dxf referentes a cada carta e a cada setor completo. As linhas de costa foram ainda transformadas para pontos e, a estes, foram atribuídos cota zero e adicionados ao arquivo de cada carta, bem como ao arquivo do setor.

Como não foram obtidos dados de topografia para a costa brasileira, foram criados pontos com cotas negativas (pontos em terra) para que, quando da interpolação, fosse formado o continente. Esses pontos em terra foram criados homogeneamente tendo como base a divisão de micro, meso e macro-marés, de maneira que a topografia seja sempre mais elevada que a variação de maré. Para a costa norte foi utilizada a cota -14, para o centro foi utilizada uma cota de -6 e para o sul foi utilizada uma cota de -5.

Pontos em terra com cota negativa (vermelho), linha de costa com cota zero (preto) e em água cota positiva (azul).

Mais detalhes da base de dados batimétricos do SMC-Brasil podem ser encontrados nos relatórios do projeto RT_SMCBRASIL_03 (Digitalização de Cartas Náuticas – Problemas Encontrados e Soluções Adotadas), RT_SMCBRASIL_04 (Busca e Processamento de Dados de Cartas Náuticas e Folhas de Bordo), RT_SMCBRASIL_05 (Busca e Processamento de Dados de Cartas Náuticas e Folhas de Bordo – Regiões Centro e Norte do Brasil) e RT_SMCBRASIL_06 (Busca e Processamento de Dados de Cartas Náuticas e Folhas de Bordo – Região Sul do Brasil).

Solicitação de Dados do SMC-Brasil

Sendo um dos produtos gerados no projeto SMC-Brasil, a possibilidade de acesso, via SMC Tools, a uma base de dados de ondas, nível (maré astronômica e meteorológica) e batimetria para a costa brasileira é de extrema importância. Além disso, as séries de ondas e nível podem ser solicitadas diretamente ao IH Cantabria através do formulário SOLICITAÇÃO DE DADOS com acesso gratuito à comunidade científica. Já os dados batimétricos estão disponíveis para download de acordo com a região brasileira: NORTE, CENTRO SUL, em formato xyz, com datum vertical DHN e horizontal WGS84.

IMPORTANTE: Quando utilizar a ferramenta SMC-Brasil ou as suas bases de dados agradecer o “Ministério do Meio Ambiente (MMA) brasileiro, a Agência Brasileira de Cooperação (ABC) e a Agência Espanhola de Cooperação Internacional para o Desenvolvimento (AECID) através do financiamento do Projeto SMC – Brasil”.

Referência

VELLOZO, T.G.; ALVES, A.R. Características gerais do fenômeno da maré no Brasil. Anais Hidrográficos da Diretoria de Hidrografia e Navegação , Tomo LXI. 2006.